Pesquisador da UFOB fala sobre COVID-19 e sobre pesquisa na região

Com exclusividade para o Fala Barreiras, Jaime Henrique Amorim comenta, em vídeo, sobre o trabalho da UFOB e sobre a COVID-19 no Oeste da Bahia

Em 21/09 de 2020

O professor e pesquisador Jaime Henrique Amorim Santos concedeu uma entrevista exclusiva ao Canal do Fala Barreiras no Youtube neste sábado (19). Ele falou sobre a atuação da UFOB diante da pandemia de Covid-19 e comentou sobre a situação do Novo Coronavírus na Região Oeste.

Veja a íntegra da entrevista no vídeo postado no final desta matéria!

Jaime pode falar sobre o assunto com propriedade. Ele é biomédico (UESC), mestre em Genética e Biologia Molecular (UESC) e doutor em Biotecnologia (USP). Além de atuar como professor na UFOB, ele também integra a equipe do Laboratório de Agentes Infecciosos e Vetores (LAIVE), que tem desenvolvido um trabalho muito importante, atuando como central de diagnóstico da doença Covid-19, causada pelo novo coronavírus.

O LAIVE já realizou 4.000 mil testes de COVID-19

De acordo com o Professor, o LAIVE iniciou a realização dos testes para Covid-19 no dia 12 de maio desse ano e, até agora, já entregou os resultados de cerca de 4 mil exames, atendendo a demanda de vários municípios da Região Oeste da Bahia.

Além disso, o laboratório também deve aumentar o volume de exames realizados, contribuindo ainda mais com o diagnóstico da doença na Região. Vale lembrar que a UFOB não realiza coleta para exames, a não ser em caso de pesquisa, e que os materiais são enviados pelo Núcleo Regional de Saúde do Oeste.

A situação da COVID-19 na Região Oeste

Em relação à situação do Novo Coronavírus, Jaime comentou que, aparentemente, houve uma desaceleração do ritmo de contágio. Porém, como os pesquisadores ainda não fizeram as análises estatísticas adequadas, ainda não é possível afirmar categoricamente se houve ou não uma redução do contágio.

Além disso, o Professor reforçou que a população só ficará livre da pandemia quando houver uma vacina ou quando surgirem fármacos (remédios ou drogas), comprovadamente eficazes no tratamento da doença. E mesmo com a descoberta desse remédio, a melhor forma de conter o avanço da doença e de proteger as pessoas é através da vacinação da comunidade.

Professor Jaime Henrique Amorim Santos concede entrevista exclusiva ao Falabarreiras sobre o Laive e a Covid-19 no oeste baiano

Ainda segundo Jaime, Barreiras tinha uma vantagem estratégica muito grande de combate à doença, por ser distante dos grandes centros, mas essa chance não foi aproveitada. Com o isolamento da região, teria sido possível atrasar ainda mais a chegada do vírus na cidade e, quando isso ocorresse, poderiam ter sido adotadas as chamadas intervenções não farmacológicas, baseadas apenas em cuidados de higiene e distanciamento social.

“Se esse tipo de medida, que eu estou dando um exemplo, tivesse sido tomada logo no início, que é uma estratégia muito inteligente, mas que exige uma disposição e conhecimento da parte científica maior, mais elaborado, até o impacto na economia local com certeza seria muito menor”, disse Jaime.

O professor também reforça que o toque de recolher, da maneira como foi feita, não teve um impacto significativo na mitigação e desaceleração da doença.

“A passagem do vírus pela região até agora teve o que a gente chama de caminho natural. O vírus praticamente não sofreu interferência na sua transmissão. É muito simples você concluir que não houve efeito porque, assim que o toque de recolher foi retirado, ou mesmo durante, a curva de infecção do vírus não parou de aumentar”, afirmou Jaime.

O novo coronavírus também é resistente a altas temperaturas

O Professor também comentou sobre os resultados de algumas pesquisas realizadas na UFOB relacionadas ao impacto ambiental na transmissão do vírus. De acordo com Jaime, as pesquisas realizadas até agora confirmaram o que pesquisadores de outras partes do mundo já tinham encontrado, que o vírus tem uma resistência muito grande, podendo sobreviver mesmo em temperaturas mais altas.

Porém, a contaminação não ocorre através do contato com objetos, mas de pessoa para pessoa. Por isso, o uso da máscara é fundamental para evitar o contágio.

O professor também comentou sobre outros aspectos das pesquisas realizadas na UFOB e ainda respondeu questões relacionadas ao recontágio e à contaminação de animais. Confira, no vídeo abaixo, a entrevista completa com o professor e pesquisador Jaime Henrique Amorim Santos.

Fala Barreiras, compromisso com a verdade!

Seja integrante de nossos grupos de WhatsApp!
Falabarreiras Notícias 01
Falabarreiras Notícias 02.

Deixe seu comentário

*
*
Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Falabarreiras. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Falabarreiras poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto. É possível digitar até 600 caracteres. Os comentários que estiverem escritos em letras maiúsculas e tiverem links serão rejeitados.