Produtores rurais avançam no projeto de recuperação de nascentes no oeste baiano

Durante os cursos de recuperação e proteção de nascentes foram recuperadas na última as primeiras nascentes nos municípios de Barreiras e Wanderley com o apoio dos agricultores baianos, por meio da Abapa e Aiba, e prefeituras. O trabalho também é desenvolvido em São Desidério Na última semana, os produtores rurais baianos, por meio da Associação […]

Em 10/04 de 2018

Durante os cursos de recuperação e proteção de nascentes foram recuperadas na última as primeiras nascentes nos municípios de Barreiras e Wanderley com o apoio dos agricultores baianos, por meio da Abapa e Aiba, e prefeituras. O trabalho também é desenvolvido em São Desidério

Recuperação de nascente no Alto da Bela Vista, em Barreiras | Foto: Divulgação

Na última semana, os produtores rurais baianos, por meio da Associação Baiana dos Produtores de Algodão (Abapa) e da Associação de Agricultores e Irrigantes da Bahia (Aiba), continuaram avançando na recuperação de nascentes pelo oeste da Bahia. No último sábado (7), foi revitalizada a nascente na sede municipal de Wanderley, contribuindo para garantir a vazão de água para o riacho Tijucuçu, que passa na cidade. Na última quarta-feira (4), na localidade de Alto da Boa Vista, na zona rural de Barreiras, foi protegida a nascente que beneficia diretamente 20 famílias que dependem dessas águas para as atividades básicas e para a irrigação das lavouras. Nas duas cidades, a recuperação das nascentes foi o marco do fim de um curso realizado juntamente com as prefeituras, para a capacitação de técnicos do poder público, sociedade civil e entidades representativas do meio ambiente locais.

Em Barreiras, a moradora Darilene Maria de Jesus de Oliveira, 55, acompanhou de perto as ações, e ficou agradecida com este trabalho. “Usamos a água desse riacho para tudo, tem uma bomba que puxa a água para encher as caixas. É importante para que tenhamos muita água e limpa direto”, afirma ela, que planta no quintal, uma hortaliças, verduras e frutíferas para o consumo do dia-a-dia. A moradora cita dois principais benefícios levados pela proteção da nascente com o método “Caxambu”, aplicado nesta intervenção durante o curso. “Depois da limpeza do local, foi feita uma espécie de caixa protetora com pedra e argila, evitando o acesso ao “veio d´água”, e onde geralmente se trata a água, por meio de cloro, para que os moradores beneficiados possam ter mais segurança no consumo”, afirmou o engenheiro agrônomo, Renato Rios, responsável pela intervenção e pelo curso.

Para o diretor do departamento de agricultura de Wanderley, Luís Carlos Araújo, a iniciativa visa ser o início do piloto para revitalizar o riacho Tijucuçu e o curso vai garantir que mais pessoas estejam engajadas neste compromisso. “Agora, com este grupo montado serão definidas as próximas ações. Já tem muitas pessoas que querem ver as nascentes dentro das suas propriedades protegidas ou recuperadas”, afirma. Para o técnico responsável pela área de educação ambiental da Sematur Barreiras, Ronaldo Ursulino, a capacitação disseminou o conhecimento adquirido para apoiar a recuperação em novas intervenções.

“O curso aprimorou o olhar em relação à identificar as técnicas que devem ser utilizadas em cada caso, seja para proteger, ou para recuperar a área da nascente degradada”, afirmou Ursulino. A previsão é que sejam protegidas e recuperadas de 25 a 50 nascentes em Barreiras. Além de Barreiras e Wanderley, a parceria entre os agricultores baianos, por meio da Aiba e Abapa, e as Prefeituras, também vem acontecendo em São Desidério, onde já foram protegidas e revitalizadas seis nascentes de rios desde o início de fevereiro.

Recuperação de nascentes no Alto da Bela Vista, em Barreiras e em Wanderley | Fotos: Divulgação

Fonte: Ascom Abapa | Araticum Comunicação

Deixe seu comentário

*
*
Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Falabarreiras. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Falabarreiras poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto. É possível digitar até 600 caracteres. Os comentários que estiverem escritos em letras maiúsculas e tiverem links serão rejeitados.