Produção da Biofábrica atinge dois milhões de mudas

Mariana Ferreira Alta produção marcou o mês novembro e os primeiros lotes começam a sair neste mês dezembro O Instituto Biofábrica de Cacau (IBC) alcançou, no mês de novembro, a marca de dois milhões de mudas produzidas. Destas, mais de 1,3 milhão são de cacaueiro, de origens clonal e seminal, geneticamente melhoradas e com previsão […]

Em 13/12 de 2016

Mariana Ferreira
Alta produção marcou o mês novembro e os primeiros lotes começam a sair neste mês dezembro

producao-da-biofabrica-atinge-dois-milhoes-de-mudas-01O Instituto Biofábrica de Cacau (IBC) alcançou, no mês de novembro, a marca de dois milhões de mudas produzidas. Destas, mais de 1,3 milhão são de cacaueiro, de origens clonal e seminal, geneticamente melhoradas e com previsão de venda dos primeiros lotes a partir de dezembro. O instituto, da Secretaria da Agricultura do Estado da Bahia (SEAGRI), também já possui grande quantidade de outras fruteiras, como graviola, banana, abacaxi, goiaba, açaí, cajá e cupuaçu. Além de mudas de mandioca e essências florestais.

“O Instituto Biofábrica cumpre seu papel de produzir, multiplicar e distribuir aos agricultores materiais genéticos de alta produtividade e alto valor agronômico, associado à produção de mudas selecionadas de frutíferas tropicais compatíveis com os diversos ecossistemas baianos. O impacto da melhoria na qualidade das mudas é sentido por cada produtor individualmente, mas, acima de tudo, se reflete no desenvolvimento da produção agrícola da Bahia como um todo”, pontuou o secretário da Agricultura, Vitor Bonfim.

A Biofábrica tem realizado inovações tecnológicas no processo de produção de mudas enraizadas, com o objetivo de ganhos na qualidade fisiológica da planta e na relação custo-benefício. Para tanto, implantou a técnica do uso de miniestacas e pré-enraizamento das mudas em câmaras de nebulização. Essa tecnologia foi desenvolvida pelo pesquisador George Sodré, da Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira (Ceplac), e adaptada pelo IBC para a produção em escala comercial.

“Esse processo permite que a planta se desenvolva com rapidez e de forma saudável. O IBC busca por inovações de forma continuada, de modo que reflitam positivamente na produção, desde o agricultor familiar ao grande produtor“, destaca o diretor-geral da instituição, Lanns Almeida.

A melhorista vegetal do IBC, DSc. Kaleandra Sena, destaca a implementação da plataforma de ciência e inovação do instituto, que atualmente conta com sete trabalhos científicos, sendo quatro em parceria com pesquisadores da Ceplac e dois internos. Os projetos contemplam as áreas de produção vegetal, variabilidade genética de fungos, melhoramento vegetal e extensão.

“O IBC representa uma ferramenta imprescindível na restruturação da fruticultura, com destaque para a cacauicultura, não só na região como a nível nacional, uma vez que seus produtos possuem alta qualidade agronômica e certificação dos órgãos competentes. Além do cunho comercial, sua estrutura permite a exploração e suporte científico-tecnológico para empresas de pesquisa e instituições de ensino técnico e superior, por meio de estudos que promovam novas alternativas para melhoria e otimização de protocolos relacionados à produção agrícola”, frisa a melhorista.

Deixe seu comentário

*
*
Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Falabarreiras. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Falabarreiras poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto. É possível digitar até 600 caracteres. Os comentários que estiverem escritos em letras maiúsculas e tiverem links serão rejeitados.