Novo livro do autor de “As aventuras de Pi” reúne três jornadas, três corações partidos e três histórias surpreendentes

Kassia Nobre As altas montanhas de Portugal mistura realismo fantástico e fábula contemporânea em um livro de aventura “Uma experiência rica e recompensadora… [Yann Martel] nos encanta com seu discurso de esperança e desespero, comédia e tragédia.” – USA Today Mais de quinze anos depois do lançamento de As aventuras de Pi, Yann Martel retoma […]

Em 06/06 de 2017

Kassia Nobre

As altas montanhas de Portugal mistura realismo fantástico e fábula contemporânea em um livro de aventura

“Uma experiência rica e recompensadora… [Yann Martel] nos encanta com seu discurso de esperança e desespero, comédia e tragédia.” – USA Today

Mais de quinze anos depois do lançamento de As aventuras de Pi, Yann Martel retoma ao cenário literário com o romance As altas montanhas de Portugal, publicado no Brasil pelo selo Tordesilhas. Nesse livro, Martel mantém o estilo inventivo e eloquente, com ideias originais e várias surpresas. A obra mistura conto fantástico e fábula contemporânea em uma jornada de aventura, que explora o amor e a perda de modo devastador.

Repleto de ternura e humor, o romance leva o leitor por uma viagem a Portugal do século passado – e pela alma humana. A obra é dividida em três partes. Ou melhor, é composta por três novelas aparentemente independentes uma da outra, mas que se revelam interligadas de maneira surpreendente.

Os temas principais que ligam as três partes são universais: o difícil processo de perda e luto e a busca por um novo sentido para a vida. Outros temas que perpassam as histórias são religião (razão versus fé, fé versus ficção) e a relação homem/animal.

A primeira parte do romance, intitulada “Sem lar”, se passa em Lisboa, em 1904, e conta a história de Tomás, o jovem assistente do curador do Museu Nacional de Arte Antiga, que está aprendendo a viver à sombra de imensa tragédia familiar. Para conseguir lidar com o luto da perda de sua mulher, seu filho e seu pai, Tomás se dedica a estudar com afinco o diário de Padre Ulisses, que viveu no século XVII. Nele descobre a existência de relíquia, um crucifixo esculpido pelo padre que revela algo que pode abalar a Igreja católica, objeto teoricamente escondido na região das Altas Montanhas de Portugal.

A segunda parte, “Para casa”, se passa na cidade portuguesa de Bragança, também localizada nas Altas Montanhas, e se concentra em Eusébio Lozora, médico patologista que faz plantão no hospital da cidade na passagem do ano de 1938 para 1939. O médico recebe a visita inesperada de uma mulher. Ela lhe conta sobre sua vida com o marido, Rafael, e sobre o luto que o casal viveu com a morte de seu único filho, quando o menino tinha 5 anos. E faz um pedido inusitado a Eusébio.

Na terceira parte, “Em casa”, que se passa na década de 1980, o personagem central é o senador canadense Peter Tovy. Após a morte da mulher e a ruptura com o filho, Peter sente necessidade de mudar de vida. Em uma viagem oficial aos Estados Unidos, visita um centro de estudos de primatas e se encanta com um tranquilo chimpanzé, Odo. O senador decide comprá-lo e viver com o animal, na aldeia portuguesa em que nasceu, a vida simples que sempre desejou.

Sobre o autor
Nascido na Espanha, mas naturalizado no Canadá, Yann Martel vendeu mais de três milhões de cópias do livro As aventuras de Pi. Publicada em 41 países, figurou como best-seller do New York Times por mais de um ano.

FICHA TÉCNICA:
Título: As altas montanhas de Portugal
Texto e fotografias: Yann Martel
Formato: 14 x 21 cm
Nº de Páginas: 312
Acabamento: brochura com orelhas; miolo pb
ISBN: 978-85-8419-054-6
Preço: R$ 36,00

Deixe seu comentário

*
*
Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Falabarreiras. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Falabarreiras poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto. É possível digitar até 600 caracteres. Os comentários que estiverem escritos em letras maiúsculas e tiverem links serão rejeitados.