História, homenagem e emoção no jantar comemorativo dos 15 anos da Abapa

Virgília Vieira | Ascom Abapa Presidente da Abapa, Celestino Zanella, e os ex-presidentes homenageados, Isabel da Cunha, Walter Horita e João Carlos Jacobsen Para comemorar os 15 anos de atuação da Associação Baiana dos Produtores de Algodão (Abapa), em favor da cotonicultura no estado da Bahia, produtores rurais, representantes de entidades do segmento do agronegócio […]

Em 03/06 de 2015

Virgília Vieira | Ascom Abapa

Presidente da Abapa, Celestino Zanella, e os ex-presidentes homenageados, Isabel da Cunha, Walter Horita e João Carlos Jacobsen

Foto: Virgília Vieira/Ascom Abapa

Foto: Virgília Vieira/Ascom Abapa

Para comemorar os 15 anos de atuação da Associação Baiana dos Produtores de Algodão (Abapa), em favor da cotonicultura no estado da Bahia, produtores rurais, representantes de entidades do segmento do agronegócio e autoridades municipais e estaduais, participaram do jantar comemorativo, realizado na noite de sábado, 30 de maio, no Quatro Estações Eventos, em Luís Eduardo Magalhães. Durante a cerimônia de comemoração, os ex-presidentes da Abapa, João Carlos Jacobsen Rodrigues, Walter Horita e Isabel da Cunha, foram homenageados pelo atual presidente da Abapa, Celestino Zanella, entregando-lhes uma placa.

“A diretoria atual está trabalhando arduamente para o sucesso da Abapa e da cotonicultura do estado da Bahia. Se nesses 15 anos, a Abapa construiu algum legado, estamos trabalhando para deixar um legado ainda maior”, afirmou o presidente da entidade, Celestino Zanella, ao agradecer os produtores, colaboradores, parcerias governamentais e entidades do agronegócio, e citar várias iniciativas que determinarão o futuro da entidade. “Temos trabalhado arduamente, junto aos governos municipais, estadual e federal, para trazermos algumas melhorias para a nossa região, entre elas, a logística, exportando através do Porto da Bahia; a industrialização,  com a construção da esmagadora de algodão; o combate cada vez mais eficaz, das pragas e doenças; e a capacitação dos produtores e dos colaboradores. Chamo a atenção dos produtores, para que convençam seus filhos a conhecerem as associações, e que tenham um desempenho ativo nas decisões, isso vai ser importante para o nosso sucesso”, ressaltou Zanella.

Um dos fundadores da Abapa, e atual presidente da Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (Abrapa) e presidente da Câmara Setorial do Algodão, João Carlos Jacobsen, relembrou um pouco da história da cotonicultura na região oeste, agradeceu o poder público por acreditar nos produtores da região, e falou sobre a sua atuação em prol do algodão brasileiro. “A gente sempre imaginou que a Abapa seria uma entidade importante, sabíamos do potencial, mas, não imaginávamos chegar tão longe. Olhando hoje, é sempre uma surpresa enxergar a quantidade de ações e recursos que a Abapa trouxe para a região. Nesse momento, a gente sente orgulho daquilo que fizemos.

Estamos na Abrapa defendendo a agricultura brasileira, fazendo da cultura do algodão no Brasil, uma cultura respeitada e reconhecida no mundo inteiro. Espero que nós não nos deixemos abalar por esse momento de crise, uma vez que é a agricultura que vai fazer o país continuar a andar. Não cabe a nós reclamar, cabe a nós fazermos a nossa parte, fazermos o que sabemos fazer bem feito. Boa safra a todos e coragem para a próxima safra, que certamente dias melhores virão”, disse Jacobsen.

O ex-presidente da Abapa, e um dos homenageados da noite, o produtor, Walter Horita, fez uma análise da situação dos países plantadores de algodão no mundo, e ressaltou as grandes possibilidades para o cotonicultor brasileiro. “A Abapa teve papel fundamental para conduzir o estado da Bahia ao posto de segundo maior produtor do Brasil, e com a melhor qualidade. Sempre tenho dito que o algodão parece ter encontrado aqui, no oeste da Bahia, as melhores condições climáticas, os melhores solos, a melhor topografia, permitindo a mecanização plena, a implantação maciça de tecnologia. Assim, acredito que temos condições de nos tornarmos o maior produtor do país. As oportunidades para o algodão brasileiro são grandes. Cada agricultor deve fazer a sua análise de rentabilidade, e optar pela melhor cultura. Mas, não se deixem levar apenas pelas más notícias. Sejam resilientes, fortes, perseverantes, mesmo que não enxerguem perspectivas tão favoráveis, permaneçam na atividade, continuem plantando algodão, pois acredito em um futuro promissor para o algodão no Brasil”, enfatizou Horita.

A ex-presidente da Abapa, e uma das homenageadas da noite, a vice-presidente da Associação dos  Irrigantes e Agricultores da Bahia (AIBA), Isabel da Cunha, ressaltou a importância dos 15 anos da Abapa.

“Hoje é um dia muito especial, de olhar para traz e relembrar o caminho percorrido. Se hoje estamos forte e respeitados, é porque pregamos a união de todos os produtores, tivemos planejamento e foco, buscamos sempre diagnosticar as demandas e prioridade da nossa classe. No início tudo parecia um sonho, mas juntos, acreditamos, trabalhamos, vencemos e realizamos um sonho. Hoje temos muito que celebrar, porque mudamos a economia da região e melhoramos, com certeza, a vida das pessoas”, destacou Isabel.

Durante a cerimônia, ao parabenizar a entidade, o prefeito de Luís Eduardo Magalhães, Humberto Santa Cruz, lembrou a importância da organização da classe dos produtores rurais na região para o desenvolvimento do agronegócio. “A região oeste se tornou conhecida nacionalmente pela sua organização classista, por isso, não é atoa que a Abapa comemora 15 anos”, disse, destacando ainda o fato da Bahia ter alcançado o status de maior produtividade do país em algodão.

“Isso é fruto da união dos produtores em torno de um bem comum, da credibilidade alcançada esses anos todos, pois sabem honrar seus compromissos, o investimento em tecnologia de ponta empregada para obtenção de melhores resultados, a aposta nos transgênicos e a forma como todos enfrentaram a lagarta Helicoverpa”, salientou.

Representando o governador da Bahia, o diretor-geral da Agência de Defesa Agropecuária da Bahia (Adab), Oziel Oliveira, ressaltou a importância da Abapa para a Bahia. “A Abapa tem colaborado na transformação da economia do Estado. Gostaria de ressaltar o trabalho que a entidade realiza na região sudoeste, exemplo do trabalho social e em um lugar que pouco chove, é assim que a Abapa faz, é assim que os produtores fazem, transformam vidas e a economia do nosso Estado. Estamos à disposição para colaborar”, ressaltou Oziel.

Participaram do jantar o presidente da Abapa, Celestino Zanella; o presidente da Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (Abrapa), João Carlos Jacobsen; o presidente da Aiba, Julio Busato; o diretor técnico do Instituto Brasileiro do Algodão (IBA), Gustavo Prado; o diretor geral da Adab, Oziel  Oliveira; o diretor de defesa sanitária da Adab, Armando Sá Nascimento Filho; o Prefeito de Luís Eduardo Magalhães, Humberto Santa Cruz; Chefe Geral Embrapa Algodão, Sebastião Barbosa; a presidente Sindicato dos Produtores Rurais de Luís Eduardo, Carminha Maria Missio; o presidente Agrolem, João Kufell; o presidente Cooperfarms, Luiz Antônio Pradella; o membro da Aproleite, Aurelizo Costa de Jesus; o presidente Associação do Engenheiros Agrônomos de Barreiras (AEAB), Paulo Mundel; dentre outros.

Deixe seu comentário

*
*
Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Falabarreiras. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Falabarreiras poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto. É possível digitar até 600 caracteres. Os comentários que estiverem escritos em letras maiúsculas e tiverem links serão rejeitados.