Hipertensão Arterial: epidemia silenciosa atinge mais de 30 milhões de pessoas

Fabiana Albuquerque | Visual Press Comunicação Dia Nacional de Prevenção e Combate à Hipertensão Arterial alerta para principal causa de doenças fatais como infarto, acidente vascular cerebral e insuficiência renal crônica A hipertensão arterial é uma doença que não tem cura, silenciosa e que pode acometer crianças, adultos e idosos de ambos os sexos. Segundo […]

Em 26/04 de 2019

Fabiana Albuquerque | Visual Press Comunicação

Dia Nacional de Prevenção e Combate à Hipertensão Arterial alerta para principal causa de doenças fatais como infarto, acidente vascular cerebral e insuficiência renal crônica

Imagem meramente ilustrativa | Foto: Reprodução Opas

A hipertensão arterial é uma doença que não tem cura, silenciosa e que pode acometer crianças, adultos e idosos de ambos os sexos. Segundo a Sociedade Brasileira de Hipertensão (SBH), uma a cada cinco pessoas são vítimas desta patologia e ainda estima-se que 80% da população apresente o problema até 2025. Para alertar a população sobre os cuidados para prevenir a doença, no dia 26 de abril é comemorado o Dia Nacional de Prevenção e Combate à Hipertensão Arterial.

O que muita gente não sabe é que a hipertensão leva a outras consequências graves e muitas vezes irreversíveis, como doenças cardiovasculares, acidentes vasculares e a insuficiência renal. Ela está relacionada com a força que o sangue faz contra as paredes das artérias para levar os suprimentos necessários aos demais órgãos.

“Quando a pressão está alta, o coração faz mais força para bombear o sangue, porque com a idade, as artérias ficam menos complacentes e oferecem mais resistência à sua passagem. Esta força resulta em lesões na parede das artérias, grandes ou pequenas”, esclarece Dr. Marcos Alexandre Vieira, nefrologista e presidente da Fundação Pró-Rim, referência nacional em tratamento renal.

Por ser considerada uma epidemia silenciosa, existe uma preocupação para esclarecer os malefícios da hipertensão. “A pressão alta, é uma doença muito comum que acomete uma em cada cinco pessoas. Entre os idosos ela chega a atacar uma em cada duas pessoas. Também as crianças podem sofrer de pressão alta”, explica.

Os rins também sofrem com a hipertensão
Segundo o médico, a relação entre hipertensão e a saúde dos rins é muito próxima. “O que acontece é que as artérias e arteríolas renais também são afetadas, resultando em perda progressiva da função excretora dos rins, o que leva ao aumento da pressão arterial”.

A pressão alta é responsável por 35% dos casos da doença renal crônica e a maioria dos hipertensos não apresenta nenhum sintoma no início da doença. “A pessoa pode sentir dores de cabeça, cansaço, tontura e ter sangramentos pelo nariz e estes sintomas podem se confundir facilmente com outros problemas de saúde. A única maneira de saber se a pressão está alta é aferi-la regularmente”, diz o médico.

Entre as principais causas da doença estão:

– Obesidade;
– Consumo excessivo de bebidas alcoólicas;
– Cigarro;
– Sedentarismo;
– Estresse;
– Alto consumo de sal;
– Nível de diabetes e de colesterol elevados.

O médico alerta que “as pessoas que apresentam pressão alta por muitos anos vão minando o seu sistema vascular. Se fumar, comer muita gordura saturada, não controlar o estresse excessivo e for portador de diabetes, o processo se acelera”.

Prevenção: cuidados com a alimentação
Entre os fatores que podem ser responsáveis pela hipertensão estão a hereditariedade, que pode estimular uma pré-disposição a doença; a idade; o peso, a obesidade é um fator de risco; além da falta de exercícios físicos; estresse; consumo de álcool; má alimentação com o excesso de sal e o tabagismo.

Conforme o “Guia Alimentar da População Brasileira”, uma publicação do Ministério da Saúde, a regra de ouro para uma alimentação saudável é minimizar o consumo de alimentos muito processados e fazer de base da alimentação In Natura.

“Com certeza essa é a principal orientação para prevenir também a hipertensão arterial, visto que reduzindo o consumo de alimentos industrializados, estaremos reduzindo o consumo de sódio. Outro fator importante é que aumentando o consumo de alimentos in natura, estamos consumindo mais potássio, o que ajudaria no controle da pressão também”, orienta a nutricionista da Pró-Rim, Jyana Gomes Morais Campos.

Cuidado com o sal
Segundo a nutricionista, o sal é muito perigoso e tem relação direta com a hipertensão. Seu consumo deve ser moderado e se possível, substituído por outros temperos. “Temos muitas opções que podem facilmente substituir o sal e industrializados. Ervas e temperinhos não industrializados são liberados. Use e abuse de alho, cebola, salsinha, cebolinha, orégano, manjericão, curry, pimenta e etc.”

Por fim, é importante ressaltar que o controle da hipertensão exige muito esforço e apesar de não ter cura, seguindo as orientações médicas e tendo aderência ao uso de medicamentos é possível ter boa qualidade de vida.

Deixe seu comentário

*
*
Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Falabarreiras. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Falabarreiras poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto. É possível digitar até 600 caracteres. Os comentários que estiverem escritos em letras maiúsculas e tiverem links serão rejeitados.