Grupo faz ‘beijaço’ em bar que teria expulsado casal por beijo gay

Fernanda Testa | G1 Jovens protestaram em frente e dentro do estabelecimento em Ribeirão Preto. Advogado das vítimas confirma que bar tenta resolução amigável para o caso. Cerca de 50 pessoas participaram de um “beijaço” nesse sábado, 31, dentro do Milwaukee American Bar, em Ribeirão Preto (SP), em protesto contra a suposta expulsão de um […]

Em 01/02 de 2015

Fernanda Testa | G1

Jovens protestaram em frente e dentro do estabelecimento em Ribeirão Preto.
Advogado das vítimas confirma que bar tenta resolução amigável para o caso.

Casais se beijam dentro de bar em Ribeirão contra suposto caso de homofobia | Foto: Fernanda Testa/G1

Casais se beijam dentro de bar em Ribeirão contra suposto caso de homofobia | Foto: Fernanda Testa/G1

Cerca de 50 pessoas participaram de um “beijaço” nesse sábado, 31, dentro do Milwaukee American Bar, em Ribeirão Preto (SP), em protesto contra a suposta expulsão de um casal de mulheres do estabelecimento, após um beijo em público. O caso foi registrado na Polícia Civil pelas vítimas e tomou grande repercussão nas redes sociais: internautas classificaram a atitude do estabelecimento como homofóbica.

Em nota, o bar negou a expulsão baseada em critérios de orientação sexual, mas alegou que as garotas faziam parte de um grupo com “conduta inapropriada” e que tumultuava o ambiente.

Nesse sábado, os manifestantes se concentraram na rotatória entre as avenidas Portugal, Nove de Julho e Antônio Diederichsen, a cerca de 500 metros do estabelecimento, e depois seguiram em passeata até o bar. A Polícia Militar acompanhou o trajeto e auxiliou no bloqueio do trânsito. Munidos de cartazes com mensagens contra homofobia, os manifestantes se agruparam na calçada do Milwaukee, onde quatro casais aderiram ao ‘beijaço’.

As vítimas do suposto caso de homofobia não participaram do ato, mas foram representadas pelo advogado Alexandre Bonilha.

Após uma hora de negociação entre Bonilha e representantes do estabelecimento, o grupo foi autorizado a realizar o “beijaço” dentro do bar, sob orientação de que deixassem os cartazes do lado de fora. “Todo tipo de manifestação é bem vinda, desde que pacífica e organizada. O bar é a favor de qualquer tipo de manifestação e apoia todo ato que seja feito para o bem”, disse o advogado Fábio Esteves Carvalho, representante do Milwaukee.

Casal de mulheres se beija em frente a bar, durante protesto em Ribeirão / Manifestantes percorreram trecho da Avenida Francisco Junqueira durante protesto contra homofobia | Fotos: Fernanda Testa/G1

Casal de mulheres se beija em frente a bar, durante protesto em Ribeirão / Manifestantes percorreram trecho da Avenida Francisco Junqueira durante protesto contra homofobia | Fotos: Fernanda Testa/G1

Segundo Carvalho, os proprietários do estabelecimento entraram em contato com as vítimas do suposto caso de homofobia para tentar uma solução amigável. O advogado das vítimas confirmou a tentativa de conciliação, mas disse que as jovens esperam uma retratação do bar. “Caso não haja resolução amigável, a casa poderá ser multada e ter o estabelecimento fechado, além da medida judicial que se pleiteará em indenização por danos morais”, afirmou Bonilha.

Protesto contra homofobia reuniu cerca de 50 manifestantes em frente a bar | Foto: Fernanda Testa/G1

Protesto contra homofobia reuniu cerca de 50 manifestantes em frente a bar | Foto: Fernanda Testa/G1

O caso
A suposta expulsão do casal de mulheres ocorreu no último domingo, 25. As garotas, de 22 e 23 anos, que não quiseram se identificar, contaram que após um beijo em público, em frente ao palco do estabelecimento, foram abordadas por um segurança e posteriormente expulsas pelo gerente da casa. Segundo uma das estudantes, a confusão ocorreu ao final do show da banda que se apresentava.

Uma das vítimas disse que outros clientes do bar reprovaram a atitude da gerência do bar. Segundo ela, um amigo se manifestou contra a expulsão e também foi retirado à força do estabelecimento. No boletim de ocorrência registrado na Polícia Civil, os três são apontados como vítimas de constrangimento ilegal.

As jovens também denunciaram o caso à Central de Direitos Humanos da Comissão da Diversidade e Combate à Homofobia da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB/SP) e ao Conselho Municipal em Atenção à Diversidade Sexual de Ribeirão Preto.

Deixe seu comentário

*
*
Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Falabarreiras. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Falabarreiras poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto. É possível digitar até 600 caracteres. Os comentários que estiverem escritos em letras maiúsculas e tiverem links serão rejeitados.