Criação de abelhas é alternativa de renda para a agricultura familiar

Josalto Alves | Assimp Ebda Alimento rico em propriedades medicinais, o mel é um produto proveniente da criação das abelhas africanizadas (apicultura) e das abelhas sem ferrão (meliponicultura), culturas agrícolas que vêm se firmando na Bahia. O estado é o terceiro maior produtor de mel de abelhas africanizadas do Nordeste, com uma produção anual de […]

Em 08/12 de 2014

Josalto Alves | Assimp Ebda

01Alimento rico em propriedades medicinais, o mel é um produto proveniente da criação das abelhas africanizadas (apicultura) e das abelhas sem ferrão (meliponicultura), culturas agrícolas que vêm se firmando na Bahia. O estado é o terceiro maior produtor de mel de abelhas africanizadas do Nordeste, com uma produção anual de mais de 600 mil toneladas. Conforme levantamento da Empresa Baiana de Desenvolvimento Agrícola (EBDA), vinculada a Secretaria da Agricultura da Bahia (Seagri), este número é resultado do trabalho de 8 mil agricultores familiares baianos que vivem da criação e manejo destas abelhas. A meta da EBDA é formar, até 2015, 11 mil famílias rurais na apicultura.

Os municípios de Alagoinhas, Itaberaba, Itabuna, Irecê, Jequié, Juazeiro, Jacobina, Teixeira de Freitas, Ribeira do Pombal e Jequié são destaque na produção do mel. Outra referência é a Comunidade de Boa Vista, no município de Santa Bárbara, responsável pela produção de 2.450 litros de mel, a cada três meses. “Já cheguei a colher 300 litros de mel em dois meses”, conta o apicultor, Juracir Fisnando que mantém 350 colmeias junto com 40 famílias da comunidade.

Na Bahia, a criação de abelhas é uma atividade desenvolvida por agricultores familiares. De acordo com a farmacêutica e pesquisadora da EBDA, Alvanice Lins, a EBDA oferece aos apicultores e meliponicultores os serviços de análises físico-químicas de méis, pólen, própolis e extrato de própolis, por meio do Laboratório de Abelhas (LABE), localizado em Salvador. A empresa também testa a qualidade do mel, com a emissão do laudo que qualifica o produto para venda.

Além dos serviços de controle da qualidade dos produtos, o LABE desenvolve pesquisas aplicadas visando o desenvolvimento de tecnologias e processos como a desidratação do pólen de abelhas sem ferrão como a urucu, (Melipona scutellaris), além da identificação de propriedades terapêuticas e nutricionais do pólen para que o produto seja comercializado pelos agricultores. “A desidratação correta do pólen vai garantir ao agricultor um produto com maior tempo de prateleira e reduzir o risco de contaminação”, enfatiza Alvanice.

Laboratório de Abelhas (LABE) – O Laboratório de Abelhas, criado em 1984 foi reestruturado e requalificado em 2005 com base na gerência da qualidade e boas práticas de laboratório tem como objetivo a sustentabilidade da criação de abelhas, baseada na conservação do meio ambiente para manter a segurança alimentar e nutricional das famílias de agricultores familiares e das comunidades tradicionais.

O LABE também desenvolve trabalhos de Pesquisa e Inovação (P&I) voltados para a geração de produtos como o material de referência para mel de abelhas africanizadas (Apis mellifera), além de realizar o manejo sustentável de abelhas sem ferrão e a identificação de abelhas através da Coleção Entomológica Moure e Costa (CEMeC), que apresenta espécies representativas da fauna de abelhas da Bahia.

Deixe seu comentário

*
*
Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Falabarreiras. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Falabarreiras poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto. É possível digitar até 600 caracteres. Os comentários que estiverem escritos em letras maiúsculas e tiverem links serão rejeitados.