Aiba apresenta balanço do trabalho de combate a incêndios florestais

Rassana Milcent | Ascom Aiba O Subcomitê de Combate a Incêndios da Região Oeste fez sua primeira reunião, este ano, no dia 09 de abril, com a participação de entidades e grupos econômicos do agronegócio, órgão estaduais e municipais do meio ambiente, além dos Bombeiros e de Ong´s. O objetivo foi traçar metas de ações […]

Em 19/04 de 2015

Rassana Milcent | Ascom Aiba

01O Subcomitê de Combate a Incêndios da Região Oeste fez sua primeira reunião, este ano, no dia 09 de abril, com a participação de entidades e grupos econômicos do agronegócio, órgão estaduais e municipais do meio ambiente, além dos Bombeiros e de Ong´s. O objetivo foi traçar metas de ações de monitoramento e combate a incêndios florestais para o ano de 2015, em especial para os períodos mais críticos do ano.

Atuando em parceria com o Subcomitê, a Aiba apresentou os resultados do trabalho realizado pelas Unidades de Combate a Incêndios Florestais, criadas e implantadas pela Associação desde 2013. Segundo a diretora de Meio Ambiente da Aiba, as Unidades estão localizadas entre os municípios de Barreiras e Luís Eduardo Magalhães, no perímetro da Área de Proteção Ambiental (APA) Bacia do Rio de Janeiro e no município em São Desidério.

Abrangendo uma área total de 500 mil hectares, a Unidade de São Desidério é monitorada pelas fazendas Busato, Decisão, Mizote, Charrua, Grande Leste, Grande Oeste e Sykué. Os números divulgados mostram que de 2012 a 2014, houve uma redução de 70% no número de focos de calor na área monitorada.

tabela-01

Os bons resultados também podem ser observados na segunda Unidade, localizada entre os municípios de Barreiras e Luís Eduardo Magalhães (APA Bacia do Rio de Janeiro). A área possui 290 mil hectares e reúne as fazendas Agronol, Agrifirma, Vale do Urso, Vitória, Orquídeas, Picos, Itapema, Heringer, Retiro dos Picos I e II, SLC Agrícola, Novo Mundo, Buriti I e II, Missioneira, Bosa, Mangas, São Marcos, Lago e Tapera III. Entre 2012 e 2014, o número de focos de calor caiu em 85% e, consequentemente, o número de áreas queimadas, conforme tabela abaixo.

tabela-02
Diante dos números, Alessandra explicou que ocorreu um aumento no número de focos de calor em 2014, quando se compara com 2013, entretanto, este número encontra-se muito abaixo dos registros de 2012, para ambas as áreas.

“Conseguimos ampliar as ações de combate, reduzindo o tempo de resposta dos produtores às indicações de focos de calor; além disso, houve uma grande interação entre instituições (público-privada). Esses números mostram que é possível aliar o desenvolvimento agrícola com a sustentabilidade ambiental”, afirmou Alessandra.

Histórico
As Unidades de Combate a Incêndios Florestais dos municípios de São Desidério e Luís Eduardo Magalhães foram criadas para evitar que áreas produtivas, áreas de preservação permanente (APP) e reservas legais sejam destruídas pelo fogo. O monitoramento destas áreas é realizado diariamente pela equipe técnica da Aiba, entidade criadora do projeto pioneiro. A iniciativa é realizada em parceria com a secretaria estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Sema), Instituto de Meio Ambiente (Inema), Corpo de Bombeiros e secretarias municipais de Meio Ambiente de Luís Eduardo Magalhães e São Desidério.

Deixe seu comentário

*
*
Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Falabarreiras. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Falabarreiras poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto. É possível digitar até 600 caracteres. Os comentários que estiverem escritos em letras maiúsculas e tiverem links serão rejeitados.