Kelly Magalhães: “Se Antônio Henrique não dá conta de governar, que entregue o cargo”

Por: Angela Natsumi A saúde no oeste foi o assunto do discurso da deputada Kelly Magalhães, na tarde desta terça-feira (18), no plenário da Assembleia Legislativa da Bahia. A parlamentar destacou matéria veiculada pelo site ZDA, sobre possível perda de recursos da Saúde de Barreiras. “A cidade é polo regional de três territórios, tem mais […]

Em 18/12 de 2013

Por: Angela Natsumi

Kelly Magalhães: "Se o prefeito de Barreiras não dá conta de governar, que entregue o cargo"

Deputada questiona proposta da UMOB para dividir recursos da saúde de Barreiras

A saúde no oeste foi o assunto do discurso da deputada Kelly Magalhães, na tarde desta terça-feira (18), no plenário da Assembleia Legislativa da Bahia. A parlamentar destacou matéria veiculada pelo site ZDA, sobre possível perda de recursos da Saúde de Barreiras. “A cidade é polo regional de três territórios, tem mais de 150 mil habitantes, uma cidade que tem o Hospital do Oeste, que tem o Hospital Eurico Dutra, que tem boas clínicas, bons médicos, bons serviços na área médica e corre o risco de perder recursos da Saúde pela total incapacidade gerencial da atual secretária municipal, Regina Figueiredo, e incompetência do prefeito Antônio Henrique”, disse.

Segundo a matéria, em reunião na última semana, o presidente da União dos Municípios do Oeste da Bahia (UMOB), Humberto Santa Cruz, apresentou proposta de descentralização de atendimento de média complexidade hospitalar e ambulatorial. Para isso, os recursos que atualmente são direcionados à rede de saúde de Barreiras, que recebe pacientes dos municípios circunvizinhos, seriam distribuídos para outras prefeituras.

Segundo a parlamentar, o péssimo serviço prestado pela saúde em Barreiras no último ano abriu brecha para o oportunismo do prefeito da UMOB, que também é prefeito de Luís Eduardo Magalhães, em querer repactuar o dinheiro que a Secretaria de Saúde de Barreiras não está utilizando adequadamente. “O serviço de saúde em Barreiras era de primeiríssima qualidade, onde todos os laboratórios, clínicas, hospitais eram referenciados e prestavam atendimento. E hoje se morre na fila do HO”, lamentou.

Mas, ainda de acordo com Kelly, dividir os recursos não é a melhor solução. “Os pequenos municípios não terão condições de  oferecer a mesma estrutura, a mesma qualidade de atendimento que Barreiras tem. O mais acertado seria novos recursos para os municípios. Dividir o que já é destinado a Barreiras, somente irá piorar a situação”, defendeu, acrescentando que considera essa proposta imoral. A deputada sugere que o presidente da UMOB apresente sugestões para fortalecer a saúde regional e tenha a sensatez para perceber que a característica de polo regional, inclusive geograficamente, é a cidade de Barreiras.

“O município de Luís Eduardo é um município em ascensão, precisa de mais recursos e o prefeito está querendo tirar os recursos de Barreiras para levar para Luís Eduardo. Luís Eduardo fica já na fronteira com Brasília e Goiás. Irá tirar recursos da cidade polo, que é Barreiras, que atende todos os municípios que ficam no seu entorno”, afirmou.

“Quero chamar atenção do prefeito de Barreiras, para que ele, se não dá conta de governar, que entregue o cargo, porque Barreiras já está entregue às moscas, às baratas. Não podemos perder recursos. Essa proposta irá prejudicar Barreiras e os cidadãos que vêm dos mais diversos e longínquos municípios da região para serem atendidos. Infelizmente, não têm encontrado socorro nesse governo do engodo e da mentira, que está aí há um ano e ainda não disse a que veio”, finalizou.

Deixe seu comentário

*
*
Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Falabarreiras. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Falabarreiras poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto. É possível digitar até 600 caracteres. Os comentários que estiverem escritos em letras maiúsculas e tiverem links serão rejeitados.