Pai de aluno da Ufob denuncia falta de professores no curso de medicina

Segundo denunciante, de oito disciplinas, apenas três têm profissionais ministrando aulas. Confira a resposta da Ufob

Em 26/03 de 2020

Pai de aluno do Curso de Medicina da Universidade Federal do Oeste da Bahia (UFOB), em Barreiras, que se autodenomina “Denunciador”, entrou em contato com a redação do Falabarreiras para solicitar uma resposta da Universidade. O Denunciador, dentre outros problemas, ressalta a falta de professores e questiona: “O que esperar de futuros profissionais mal formados desse jeito?”

Confira abaixo a denúncia:

“Como cidadão barreirense e pai, gostaria de fazer uma denúncia anônima. Constantemente recebo queixas do meu filho quanto à falta de resolução de problemas do curso de Medicina da UFOB. São diversos problemas, mas o maior eles são turmas sem professores suficientes para ministrar as disciplinas dos semestres! De oito disciplinas, apenas três delas têm profissionais ministrando aulas, isso no ciclo clínico! O que esperar de futuros profissionais mal formados desse jeito? O que esperar de uma instituição que deveria ser exemplo para esses futuros profissionais e não resolve seus problemas, jogando para colegiado, centro, coordenação…

Peço sua ajuda e de outros profissionais do jornalismo da região para que a população questione a instituição sobre essa falta de profissionais e qual a formação dada aos futuros médicos da universidade que já vão se formar e atuarão na saúde da nossa região ainda nesse ano de 2020.

Obrigado!!!
Cidadão barreirense (Denunciador)

Em resposta ao leitor do Falabarreiras, a chefia de gabinete da Ufob, dentre outros problemas, relata que a contratação de profissionais esbarrou em um Ofício Circular da Secretaria de Educação Superior do Ministério da Educação, que proibiu a contratação de novos servidores até a aprovação da Lei Orçamentária Anual 2020 (LOA-2020).

Confira abaixo a íntegra da resposta da Chefia de Gabinente da UFOB:

O curso de medicina da UFOB é ofertado em período integral, com a entrada semestral de 40 estudantes. Atualmente, 49 docentes atuam na oferta de disciplinas ao curso, dos quais, 47% são médicos, efetivos, com regime de trabalho de 20h e 40h/semanais, sem dedicação exclusiva. Dos docentes que atuam no ciclo básico, 80% são doutores e 20% são mestres, professores efetivos, com dedicação exclusiva.

Desde a abertura do Curso de Medicina, os concursos da UFOB têm contemplado vagas para docentes médicos, com o intuito de melhor atender ao Projeto Político-Pedagógico do Curso no que tange ao número de turmas ofertadas, respeitando a carga horária possível ao docente. O último edital lançado pela UFOB (Edital 41/2018 – Inclusão 01) contemplava 10 vagas para docentes médicos em diversas áreas. Contudo, 50% das vagas não foram preenchidas, principalmente pelo não comparecimento dos candidatos inscritos.

O planejamento das ofertas de disciplinas aos cursos de graduação da UFOB considera a obrigatoriedade dos componentes e a disponibilidade de docentes especialistas no assunto em questão. No caso específico da Medicina, o planejamento considerou a contratação de cinco novos docentes, aprovados em concurso público de provas e títulos. O pedido de nomeação dos aprovados esbarrou em um Ofício Circular nº 01/2020, da Secretaria de Educação Superior do Ministério da Educação, de 08 de janeiro de 2020, que proibiu a contratação de novos servidores até a aprovação da Lei Orçamentária Anual 2020 (LOA-2020) e divulgação do limite de provimento de cargos autorizados para a UFOB no banco de professor-equivalente (BPEq), inviabilizando a nomeação dos docentes no tempo previsto. Apesar dos pareceres favoráveis às contratações, o período de pandemia que enfrentamos no presente momento inviabiliza a nomeação imediata dos aprovados, dado que estes têm prazos curtos para a realização de exames médicos e laboratoriais e para apresentação na instituição, todos estes prejudicados pela Covid-19.

Em suma, a Universidade Federal do Oeste da Bahia reitera o compromisso com a formação de profissionais por meio do ensino público, gratuito, de qualidade e interiorizado, ao passo que justifica a reclamação posta, não infundada, mas precipitada, quanto a falta de docentes no curso de Medicina, a qual tem sido resolvida pelo único meio possível, o processo seletivo público e transparente para a contratação de docentes do magistério superior.

Mais uma vez, agradeço a sensibilidade e paciência e me coloco à disposição para esclarecer qualquer ponto que julgar necessário.

Cordialmente,

Ana Mapeli
Chefia de Gabinete da UFOB

10 comentários

Juarez Mendes
Comentou em 26/03/20

Já fui aluno da UFOB e o que o mais tinha e provavelmente ainda acontece é professor concursado inventar problema de saude pra se beneficiar de uma brecha na lei Federal que permite que esses profissionais se afastem das funcoes por até DOIS meses!!!!…. lamentável também é a instituição dizer que o pai do aluno está fazendo reclamação sem fundamento…..

Rhudson Cruz
Comentou em 26/03/20

Caro Juarez Mendes, sou professor lá há quase 2 anos e posso garantir que essa “brecha” de saúde não é real. Pode ser que no seu tempo isso acontecesse, mas hoje não ocorre a não ser em casos reais.
Sobre os médicos, perdi a conta de quantos concursos abrem e os caras nem pisam pra fazer a prova, e a resposta pra isso é justamente o salário. Médico normalmente recebe bem mais em plantões do que dando aula, e eles não querem ir.

Estudante
Comentou em 26/03/20

Olá, sou estudante de Medicina da UFOB.
Acho lamentável que em tempos caóticos como esses alguém tenha tamanha inépcia para produzir uma denúncia tão irrefletida. Chega até a ser questionável a veracidade do dito “Denunciador”, afinal, a quem interessaria questionar a competência dos profissionais formados na UFOB?

Estudante
Comentou em 26/03/20

Enfim… Por se tratar de uma instituição Federal, todos os professores precisam passar por um concurso, sendo avaliados por uma banca, tendo que perpassar por várias etapas que incluem prova escrita, ministrar uma aula (de tema sorteado no concurso), e análise de currículo. Todo o processo é muito sério e transparente, e selecionou excelente professores para nos guiar durante a formação. Então contratar um professor de Medicina na nossa Universidade não é tão simples quanto sair oferecendo vaga por aí para qualquer profissional…

Estudante
Comentou em 26/03/20

O que ocorre é que, por questões burocráticas (que já foram explicadas em nota pela Universidade), os professores aprovados no último concurso ainda não puderam tomar posse do seu cargo federal, legitimamente conquistado.
Pois bem… ainda assim eu desconheço qualquer turma de Medicina da UFOB que tenha apenas 03 professores ministrando aula. Não sei de onde esse “pai” tirou essa informação, mas não procede. Desafio a citar, ainda que em anonimato, qual turma e quais as 5 das 8 disciplinas que estão sem professores…

Estudante
Comentou em 26/03/20

Enfim. Estou há alguns anos na instituição e sempre que encontramos entraves burocráticos de contratação de novos docentes (ou quaisquer outros problemas), os professores já ativos da Medicina UFOB assumem responsabilidades de outras disciplinas (mesmo que isso signifique extrapolar a carga horária, e mesmo que eles não recebam um centavo a mais para isso). E tem sido assim desde sempre. Tanto professores quanto alunos, de fato, vestiram a camisa da Medicina UFOB e lutam todos os dias para a construção de um curso de qualidade.

Estudante
Comentou em 26/03/20

Sobre o questionamento “O que esperar de futuros profissionais mal formados desse jeito?”
Penso que esse cidadão deveria ponderar as palavras antes de falar de uma realidade que ele desconhece. Nosso corpo docente, como já expliquei, passou por uma seleção rígida. Temos acesso aos campos de prática da cidade de Barreiras, tanto para as atividades do ciclo clínico quanto para as do internato.
Nossos professores, nossa coordenação e todos os alunos dessa instituição têm dado o sangue todos os dias para obter a melhor formação possível. E adivinha? Estamos conseguindo!

Estudante
Comentou em 26/03/20

Posso falar por mim. No meu pouco tempo de curso, além de todo o aprendizado, eu consegui desenvolver capítulos de livros, artigos científicos, participei de iniciação científica e recebi premiações em eventos científicos nacionais. Tive a oportunidade de ser monitor, de participar de ligas acadêmicas, de desenvolver projetos de extensão na comunidade…
E eu estou longe de ser o melhor aluno da minha turma.

Estudante
Comentou em 26/03/20

Então, o que a população pode esperar desses profissionais que vão se formar ainda nesse ano de 2020, e nos profissionais que se formarão nos próximos, é o máximo compromisso e responsabilidade de exercer a profissão que escolhemos com excelência e prezando pelos princípios que aprendemos durante os 06 anos de curso. Ainda que tentem, em vão, nos difamar.
A Medicina UFOB é uma conquista para a região oeste do estado da Bahia.
Nós já estamos – e vamos continuar – mostrando nosso valor.

Juarez Mendes
Comentou em 26/03/20

9.000 de salário pra cumprir 20h semanais. Essa foi a última remuneração pra concurso de 2019 e era pra dar aula a somente uma disciplina e não exigia grau de mestre pra tal certame. Sobre a licença tenho somente 1 ano que terminei o curso e já fiquei prejudicado em um semestre por exemplo por causa de docente que recebeu licenca de 30 dias pra tratar de um problema no dente….. então isso é péssimo tanto pra os alunos quanto pra a imagem desses profissionais que parecem que estão na profissão mais por esporte do que por realmente gostar do que faz….

Deixe seu comentário

*
*
Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Falabarreiras. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Falabarreiras poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto. É possível digitar até 600 caracteres. Os comentários que estiverem escritos em letras maiúsculas e tiverem links serão rejeitados.