Entenda como funcionam as linhas de crédito para pequenas e médias empresas durante a pandemia

As linhas de crédito devem ser utilizadas para gastos com a folha de pagamento

Em 14/04 de 2020

Fernanda Glinka | P+G Comunicação Integrada

A chegada do novo coronavírus ao Brasil lançou um desafio extra para as empresas nacionais: com as portas fechadas ou expediente reduzido, como pagar os custos fixos mensais? Diversas empresas de pequeno e médio porte já estão com dificuldade – ou até mesmo em dívidas – para conseguir quitar salários atrasados, encargos, aluguel, energia, telefone, fornecedores, entre inúmeros outros gastos. Para reduzir o problema, o Banco Central anunciou recentemente uma linha emergencial de empréstimos para custear a folha de pagamento de empresas com faturamento anual entre R$ 360 mil e R$ 10 milhões.

A medida, que conta com valor total de R$ 40 bilhões, será destinada para pagamentos de funcionários que recebem até 2 salários mínimos (R$ 2.090,00), cabendo a própria empresa a cobertura de excedentes quando houver. Os juros deste empréstimo serão de 3,75% ao ano, carência de 6 meses e o prazo de pagamento será de 30 meses. A empresa que optar por adquirir a linha fica obrigada a manter os empregos durante os dois meses do programa.

De acordo com o especialista em administração de empresas Milton Rui Jaworski, fundador da Consultoria Jaworski Empresarial, este momento requer um aceite de crédito sem pestanejar. “Em tempos normais, é prudente que a empresa pense com cuidado e faça uma análise de todos os recursos disponíveis antes de adquirir qualquer linha de crédito. Mas no atual cenário, o mais importante é estar apto para cuidar dos funcionários w colaboradores, mantendo o capital humano”, aponta o especialista.

Neste cenário, Jaworski recomenda que o empresário não queime as suas reservas para quitar as folhas de pagamento. “É com este dinheiro guardado que a empresa conseguirá se reerguer quando a crise passar. A linha de crédito do Banco Central surgiu como uma excelente alternativa para quem não sabia como manter os funcionários”, diz ele.

Em caso de a crise perdurar por mais 30 ou 60 dias, como estimam as grandes organizações nacionais e internacionais, Jaworski relembra a importância de ajudarmos uns aos outros e aguardar outras flexibilizações dos Governos Federal, Estadual e Municipal, visto que todos estamos no mesmo barco. “A turbulência é igual para todos e a perda momentânea é certa. Resta manter a calma e ser racional”, aponta. “Quando essa crise passar, será hora de o empresário rever os seus conceitos, identificar os seus pontos fracos e definir uma estratégia vencedora, sempre com os pés no chão, para então se recuperar de maneira mais rápida e eficiente”, completa o especialista.

1 comentário

GIVALDO DA SILVA OLIVEIRA
Comentou em 28/04/20

Eu trabalho com serralheria faso protão de ferro grade de ferro corrimão de ferro estrutura para telhado coseito de mola forró pvc box de vidro prota de alumínio prota de pia

Deixe seu comentário

*
*
Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Falabarreiras. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Falabarreiras poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto. É possível digitar até 600 caracteres. Os comentários que estiverem escritos em letras maiúsculas e tiverem links serão rejeitados.