15/novembro/2016- Atualizado em 21/11/2016 14:48:12

Consciência Negra: livros falam sobre origens africanas para crianças

Luciana Sabbag

Coleção de Paulinas Editora possui obras que resgatam os valores da cultura afro

Para celebrar o Dia Nacional da Consciência Negra (20 de novembro), Paulinas Editora sugere a coleção Árvore Falante, que possui mais de 20 títulos infantis sobre a cultura negra e as origens africanas.

consciencia-negra-livros-falam-sobre-origens-africanas-para-criancas-01

No Brasil, o ensino da história e da cultura afro-brasileira e africana é obrigatório nas escolas de Ensino Fundamental e Médio (lei n. 10.639/03, alterada pela lei n. 11.645/08). A ideia é que as crianças aprendam muito mais do que somente sobre a escravidão negra, e, para isso, a lei propõe novas diretrizes para valorizar e ressaltar a presença africana na sociedade, além de ser um instrumento contra a discriminação e o preconceito racial.

E já que Paulinas Editora tem como tradição acompanhar de perto o cenário educacional no Brasil e está sempre preocupada em oferecer conteúdo de qualidade para suprir a necessidade da educação brasileira, por meio de uma infinidade de títulos sobre inclusão, direitos, cultura, folclore, comportamento e diversos outros temas imprescindíveis para o bom desenvolvimento infantojuvenil, não poderia deixar de publicar uma ampla coleção sobre a cultura afro.

A coleção Árvore Falante tem títulos premiados, como “Contos africanos para crianças brasileiras” (Academia Brasileira de Letras – Prêmio Literatura Infantojuvenil, Altamente Recomendável FNLIJ – Categoria Reconto e PNDE 2005) e “Outros contos africanos para crianças brasileiras” (Acervo Básico FNLIJ – Categoria Reconto), de Rogério Andrade Barbosa, “Ulomma – A casa da beleza e outros contos” (Altamente Recomendável FNLIJ – Categoria Reconto e PNDE 2008), de Sunday Ikechukwu Nkeechi, e “Os reizinhos de Congo” (Acervo Básico FNLIJ – Categoria Criança), de Edimilson de Almeida Pereira.

Também merecem destaque os livros “O mundo começa na cabeça”, de Prisca Agustoni, com ilustrações de Tati Móes, que apresenta o universo de palavras que compõem a prática tradicional de trançar os cabelos, passada de geração a geração (cada região do continente africano tem seu estilo, e os penteados, geralmente, indicam o status, a idade ou a etnia do indivíduo), e “Pretinha de Neve e os sete gigantes”, de Rubem Filho, que traz uma reinterpretação do conto de fadas “Branca de Neve e os sete anões”, transportando-o para outro espaço – o continente africano – e adaptando os elementos do conto aos hábitos e costumes daquela região.

Para conhecer os livros com a temática afro, o leitor pode acessar a sala especial “Cultura africana”, no site da editora. Clique aqui e veja todos os títulos da coleção Árvore Falante.

O Dia Nacional da Consciência Negra é uma data dedicada à reflexão sobre a inserção do negro na sociedade brasileira e faz referência à morte de Zumbi, líder do Quilombo dos Palmares, morto em 1695. Zumbi é símbolo da luta e da resistência dos negros escravizados no Brasil, bem como da luta pelos direitos que seus descendentes reivindicam. A data procura remeter à resistência do negro contra a escravidão de forma geral, desde o primeiro transporte de africanos para o solo brasileiro.

Tags:

O conteúdo de cada comentário é de exclusiva responsabilidade do autor e mensagens ofensivas não serão postadas.

0 Comentários

Deixe o seu comentário!