25/agosto/2016- Atualizado em 25/08/2016 20:08:40

Anvisa aprova nova indicação de medicamento para o câncer de mama

Perjeta® é a nova opção de tratamento para câncer de mama na neoadjuvância | Foto: Reprodução www.mundodamulher.com.br

Perjeta® é a nova opção de tratamento para câncer de mama na neoadjuvância | Foto: Reprodução www.mundodamulher.com.br

Pacientes com câncer de mama em fase inicial, do tipo específico HER2-positivo, com alto risco de recorrência, ganham um novo aliado, o Perjeta® (Pertuzumabe) da Roche. O tratamento acaba de ser aprovado pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) para uso antes da cirurgia, também conhecida como neoadjuvância.

Segundo Sergio Simon, diretor-presidente do Grupo Brasileiro de Estudos Clínicos em Câncer de Mama (GBECAM), médico oncologista do Hospital Albert Einstein e do CPO-Centro Paulista de Oncologia, “a inclusão de Pertuzumabe em combinação com Trastuzumabe e quimioterapia no tratamento neoadjuvante do câncer de mama promove a diminuição de maneira acentuada do nódulo tumoral, possibilitando a cirurgia conservadora, além de impedir que a doença se dissemine, aumentando as chances de cura da paciente”.

A aprovação da nova indicação de Perjeta® é voltada para pacientes com câncer de mama HER2-positivo localmente avançado, inflamatório ou em estágio inicial com elevado risco de recorrência (tumores maiores que 2 cm de diâmetro e/ou linfonodo positivo) como parte de um esquema terapêutico completo para o câncer de mama inicial.

A agência reguladora se baseou nos estudos Tryphaena (estudo de segurança) e NEOSPHERE, que analisou 417 pacientes e tinha como desfecho primário a resposta patológica completa, ou seja, o total desaparecimento do tumor na peça cirúrgica, e obteve 45% de resposta patológica com Pertuzumabe comparado ao esquema de Trastuzumabe com resposta de 29%.

“Temos uma alta incidência de câncer de mama no País. Dos 57 mil novos casos de câncer mama apontados pelo Instituto Nacional do Câncer (INCA), cerca de 20% são HER2-positivo”, contextualiza dr. Antônio Frasson, professor da Faculdade de Medicina da PUCRS e mastologista do núcleo de mama do Centro de Oncologia e Hematologia do Hospital Albert Einstein, em São Paulo.

“Esta aprovação é um marco e contribui para a constante evolução no tratamento neoadjuvante precoce da doença. Nos últimos anos, conquistamos grandes avanços para a saúde da mulher proporcionando um melhor entendimento do processo do câncer”, conclui o especialista.

Tags:

O conteúdo de cada comentário é de exclusiva responsabilidade do autor e mensagens ofensivas não serão postadas.

0 Comentários

Deixe o seu comentário!