Produtores baianos vão destinar R$ 500 mil para apoiar prefeituras do Oeste da Bahia no combate ao Coronavírus

Foi aprovada a compra de materiais básicos para os atendimentos emergenciais dos profissionais de saúde nos hospitais da região e da população em geral

Em 25/03 de 2020

Assessoria de Imprensa Abapa | Araticum Comunicação

Ao acompanhar com atenção os desdobramentos da pandemia do Coronavírus no Brasil, a diretoria da Associação Baiana dos Produtores de Algodão (Abapa), decidiu ir além. A entidade aprovou a compra de materiais básicos para os atendimentos emergenciais dos profissionais de saúde nos hospitais da região e da população em geral. Serão destinados R$ 500 mil reais, além de todo suporte das equipes de compras e logística da associação para a aquisição de máscaras, luvas, álcool gel, lençóis, toalhas ou outros itens que os municípios e hospitais da área de atuação da entidade julgarem necessários para a manutenção dos atendimentos nas próximas semanas. A previsão das autoridades de saúde é que o pico da doença comece no início de abril quando o sistema de saúde poderá ser sobrecarregado pela busca por atendimento, das pessoas com os sintomas do Coronavírus.

O presidente da Abapa, Júlio Cézar Busato, explica a ideia foi uma sugestão da médica e parceira da entidade de agricultores, Drª Graça Melo, e prontamente já colocada em debate junto aos produtores membros da diretoria da entidade. “Este é o momento de dificuldade nunca visto, que trará impactos sociais e econômicos. Independente de tudo, é importante que estejamos todos juntos e unidos para vencer o Coronavírus. Os produtores, como sempre, quando são chamados pela sociedade, estão prontos para contribuir. Neste momento, não seria diferente”, afirma.

A intermediadora da ação, Drª Graça Melo, diz que só resta aplaudir a atenção e o cuidado que os produtores da região têm demonstrado ao Oeste. “Além de gerar emprego e renda para a região com o trabalho no campo, eles estão atentos com um trabalho social bastante forte e que vem fazendo a diferença também na cidade contribuindo com projetos sociais e com a saúde e educação da nossa população”, afirma. Durante este início da pandemia, preocupada com a vida dos seus profissionais, a Abapa determinou o isolamento social, em trabalho remoto e revezamento, além da suspensão de todos os cursos e eventos e qualquer outra atividade ligada à possibilidade de contágio da doença.

Deixe seu comentário

*
*
Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Falabarreiras. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Falabarreiras poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto. É possível digitar até 600 caracteres. Os comentários que estiverem escritos em letras maiúsculas e tiverem links serão rejeitados.