15/junho/2018- Atualizado em 15/06/2018 12:18:31

Sob a batuta de Neymar, Brasil chega à Rússia como favorito ao título

Paulo Henrique Gomes | Agência do Rádio Mais

O jogo do PSG contra o Olympique de Marselha pelo campeonato francês fez com que muitos brasileiros ficassem apreensivos. Neymar, o principal jogador da seleção brasileira, fraturou o quinto metatarso do pé direito, às vésperas da Copa do Mundo. Mas o tempo passou, nosso camisa 10 se recuperou e já está pronto para vestir a amarelinha na campanha em busca do hexa. Na Copa, o Brasil está no grupo E, ao lado de Suíça, Costa Rica e Sérvia.

O Brasil se classificou para a Copa com mais de um ano de antecedência. No entanto, engana-se quem pensa que desde o início das Eliminatórias o desempenho brasileiro passava confiança. Tudo mudou após Tite assumir o comando da seleção. Antes dele, sob a batuta de Dunga, o Brasil havia disputado seis partidas, com duas vitórias, três empates e uma derrota. Sexta colocação no geral, posição que deixava a seleção brasileira fora de uma edição da Copa do Mundo pela primeira vez.

E eu vou te mostrar com números porque Tite pode ser considerado o “salvador da pátria”. Com seus critérios baseados em “merecimento” e “o campo fala”, o treinador desenvolveu um padrão tático eficiente na seleção desde a primeira partida como comandante. Tite estreou diante do Equador, no dia 1º de setembro de 2016. Triunfo por 3 a 0 que encerrou um jejum de mais 30 anos sem vencer na casa do adversário.

De lá pra cá, foram mais dez vitórias, dois empates e nenhuma derrota. A classificação veio no duelo contra o Paraguai, na 14ª rodada. O placar foi o mesmo da estreia da era Tite: 3 a 0 para o Brasil. Nesses 12 jogos, o ataque brasileiro balançou as redes 30 vezes, enquanto a defesa foi vazada em apenas três oportunidades.Foto oficial da seleção brasileira antes da Copa do MundoO Brasil encerrou a participação nas Eliminatórias com 41 pontos em 18 partidas. Foram 12 vitórias, cinco empates, uma derrota, 41 gols marcados e 11 gols sofridos. Pontuação inédita e que entra para história da seleção no torneio como a maior desde que o atual sistema de disputa foi implantado, em 1998. Até então, o recorde era de 34 pontos, número que se repetiu nas edições de 2006 e 2010.

Com Pelé como destaque em 1958, 1962 e 1970, Romário em 1994, e Ronaldo em 2002, cabe à Neymar ser o protagonista em 2018. Apesar de contar com excelentes jogadores ao seu lado, como Philippe Coutinho, William e Gabriel Jesus, o jogador mais caro da história é a principal liderança técnica da equipe. O craque revelado no Santos já mostrou ao mundo do que é capaz.

O conteúdo de cada comentário é de exclusiva responsabilidade do autor e mensagens ofensivas não serão postadas.

0 Comentários

Deixe o seu comentário!